início > textos Ano XX - 9 de dezembro de 2018



QR - Mobile Link
O CANIBALISMO ECONÔMICO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

O CANIBALISMO ECONÔMICO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

QUANDO O CAPITALISMO PASSA AO CANIBALISMO

São Paulo, 22/09/2018 (Revisada em 24/09/2018)

Referências: Diretas e Indiretas Fusões  Incorporações para Formação de Dumping ou Cartel. Desvendada a Rede Capitalista que Domina o Mundo, Neocolonialismo Privado. Privatização, Crime de Lesa-Pátria, Aumento de Preços ao Consumidor, Inflação, Desemprego em Massa, Corrupção, Lavagem de Dinheiro, Sonegação Fiscal, Caixa Dois, Blindagem Fiscal e Patrimonial em Paraísos Fiscais, Operações Simuladas ou Dissimuladas para Geração de Despesas Fictícias, Falência Fraudulenta, Internacionalização do Capital em Paraísos Fiscais. Participações Recíprocas ou Cruzadas = Capitalismo Sem Capital.

  1. O CANIBALISMO ECONÔMICO E O DUMPING DAS MULTINACIONAIS
  2. QUANDO O CAPITALISMO PASSA AO CANIBALISMO
    1. SEM O AUTÊNTICO CRESCIMENTO SÓ RESTA O CANIBALISMO ECONÔMICO
    2. OS NEOLIBERAIS COMO CAUSADORES DO DESCOMPASSO MUNDIAL
    3. A CONSTANTE INSATISFAÇÃO COM O EXCLUDENTE REGIME CAPITALISTA
    4. O CANIBALISMO ECONÔMICO E O NEOCOLONIALISMO PRIVADO
    5. O CANIBALISMO ECONÔMICO IMPOSSIBILITANDO O CRESCIMENTO DAS STARTUPS
    6. OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS UTILIZADOS CONTRA OS MENOS FAVORECIDOS
    7. O DINHEIRO ESCRITURAL (VIRTUAL) INUNDANDO O SISTEMA BANCÁRIO FANTASMA
    8. A ESPECULAÇÃO GLOBALIZADA E AS OPERAÇÕES DAY-TRADE DOS AVENTUREIROS SEM CAPITAL
    9. TARDIAMENTE DESCOBRIRAM QUE AS EMPRESAS NORTE-AMERICANAS ESTÃO FALIDAS
    10. A FALSA ECONOMIA - O ESTADO EMPREENDEDOR E A FALTA DA INICIATIVA PRIVADA
  3. VÍDEO: ROBERTO REQUIÃO DETONA A CORRUPÇÃO E O CAPITAL VADIO

Veja também:

1. O CANIBALISMO ECONÔMICO E O DUMPING DAS MULTINACIONAIS

Se levarmos em conta a rapidez como as desgraças do Povo atualmente acontecem e as inverdades propagam-se rapidamente por meio da propaganda enganosa (FAKE NEWS) com o indispensável auxílio dos MERCENÁRIOS DA MÍDIA que só publicam o que é permitido por seus anunciantes, um texto relativamente antigo (de 22/07/2015) nos traz verdades que a nossa mídia oligárquica não quer que o Povo brasileiro tome conhecimento.

Por isso, somos obrigados a recorrer a escritos publicados em outros países. E, para encontrá-los, a INTERNET é o melhor caminho. O pior, para os serviçais do neocolonialismo que se apresentam como combatentes anticomunistas, é que os escritos mais confiáveis e geralmente com provas irrefutáveis são escritos por esquerdistas. Isto significa que não podemos confiar nos propagandistas do atual capitalismo excludente, o qual se transformou em verdadeiro CANIBALISMO ECONÔMICO.

2. QUANDO O CAPITALISMO PASSA AO CANIBALISMO

  1. SEM O AUTÊNTICO CRESCIMENTO SÓ RESTA O CANIBALISMO ECONÔMICO
  2. OS NEOLIBERAIS COMO CAUSADORES DO DESCOMPASSO MUNDIAL
  3. A CONSTANTE INSATISFAÇÃO COM O EXCLUDENTE REGIME CAPITALISTA
  4. O CANIBALISMO ECONÔMICO E O NEOCOLONIALISMO PRIVADO
  5. O CANIBALISMO ECONÔMICO IMPOSSIBILITANDO O CRESCIMENTO DAS STARTUPS
  6. OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS UTILIZADOS CONTRA OS MENOS FAVORECIDOS
  7. O DINHEIRO ESCRITURAL (VIRTUAL) INUNDANDO O SISTEMA BANCÁRIO FANTASMA
  8. A ESPECULAÇÃO GLOBALIZADA E AS OPERAÇÕES DAY-TRADE DOS AVENTUREIROS SEM CAPITAL
  9. TARDIAMENTE DESCOBRIRAM QUE AS EMPRESAS NORTE-AMERICANAS ESTÃO FALIDAS
  10. A FALSA ECONOMIA - O ESTADO EMPREENDEDOR E A FALTA DA INICIATIVA PRIVADA

Texto originalmente publicado em 22/07/2015 por IHODI.COM em português de Portugal, aqui adaptado ao português brasileiro, com explicações complementares, por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFE.

Em tempo: O ihodl.com é um site com publicação digital ilustrada sobre criptomoedas e mercados financeiros (tipos de investimentos meramente especulativos). Publicidade por Insider.pro - produzido por Strawberry Cake Media Corp. © 2018

2.1. SEM O AUTÊNTICO CRESCIMENTO SÓ RESTA O CANIBALISMO ECONÔMICO

Sem um crescimento econômico "autêntico" [que se encontra verdadeiramente em baixa, à beira da escassez, sem sinais de reversão da recessão que se instalou no mundo inteiro], não há como se ter enormes lucros a não ser através de “canibalismo econômico”.

É o que vêm fazendo os banqueiros, embora de fato estejam falidos, necessitando de financeiras ajudas governamentais, para salvá-los da inadimplência gerada pelo desemprego causado pelos industriais que preferem produzir na China ou no Paraguai. Esse canibalismo econômico também efetuado por meio da formação de cartéis internacionais sediados em paraísos fiscais, tem açambarcado a poupança popular, mediante a um subliminar estímulo aos gastos supérfluos. Por sua vez, também o incentivo à compra de eletrônicos tem resultado no endividamento das pessoas físicas e jurídicas e também dos Países importadores dessas verdadeiras bugigangas, os quais pouco (quase nada) têm para exportar. Por isso, os chamados de países desenvolvidos são os mais endividados.

2.2. OS NEOLIBERAIS COMO CAUSADORES DO DESCOMPASSO MUNDIAL

Antes dos neoliberais norte-americanos e europeus evadirem-se para paraísos fiscais industriais asiáticos, os países hegemônicos importavam matérias-primas e exportavam produtos acabados. Essa era uma das formas de ser praticado o canibalismo econômico.

Porém, hoje em dia os nossos antigos colonizadores pouco têm para exportar exatamente devido áquela sensação de abandono imposta pelos neoliberais que preferiram explorar a semi-escravidão na Ásia e nos países do chamado de Terceiro Mundo (o antigo colonizado e agora neocolonizado). Esta é a razão do crescente endividamento daqueles países ocidentais.

Contudo, seus governantes estão pouco preocupados com o empobrecimentos de suas populações porque detêm a quase total produção de armas de fogo e dos demais produtos para a guerra. Assim sendo, somente os países produtores de matérias-primas devem se preocupar com os neocolonizadores.

Trata-se da velha estratégia dos Agiotas ao praticarem os altos juros (e os juros sobre juros) que drenam os rendimentos produzidos pela força de trabalho dos menos favorecidos, que vendem seu esforço físico, mental e intelectual para compra de objetos do desejo incontrolável.

Tal estratégia dos mais endinheirados também drena a lucratividade do produzido e a rentabilidade do capital investido nas empresas que têm controladores megalomaníacos e esnobes que fazem loucuras para se tornarem visíveis mediante os seus exorbitantes sinais exteriores de riquezas supérfluas que geram apenas altas despesas de manutenção e quase nenhuma receita (lucro).

Então: Qual será o verdadeiro significado de tal conceito, o do canibalismo econômico?

2.3. A CONSTANTE INSATISFAÇÃO COM O EXCLUDENTE REGIME CAPITALISTA

Quando as pessoas dizem "o capitalismo falhou" ou "o capitalismo foi bem-sucedido", devemos perguntar: De que tipo de capitalismo o indivíduo está a falar?

Capitalismo autêntico é aquele em que o capital é colocado em risco para ganhar um retorno, num mercado transparente e competitivo. Por isso, diz-se que CAPITAL É TRABALHO. Nesse sistema existente desde a Antiguidade é possível perder ou ganhar de acordo com a aceitação do que se está a produzir.

Mas, de outro lado, existe o capitalismo improdutivo, que pode ser definido como o capitalismo de cartel, capitalismo de compadrio, capitalismo monopolista ou capitalismo financeiro (veja em financeirização).

Esse tipo de capitalismo anárquico defendido pelos neoliberais anarquista, mediante o canibalismo econômico tem drenado as riquezas naturais de todos os países para empresas fantasmas (offshore) constituídas em Paraísos Fiscais. Estas são as credoras de todos os países, principalmente dos antigos países chamados de hegemônicos.

Isto significa que as denominações citadas são os tipos de capitalismo bandido que os barões ladrões utilizam na atual economia global mediante a constituição de empresas OFFSHORE em Paraísos Fiscais cartoriais.

Por que cartoriais? Porque as empresas neles constituídas só existem no papel., não existem de fato.

São justamente essas empresas offshore as praticantes do canibalismo econômico porque, como já foi dito, drenam para aquelas ilhas do inconfessável (os paraísos fiscais) as riquezas de todos os países, inclusive as poucas riquezas naturais que ainda restam nos países desenvolvidos.

2.4. O CANIBALISMO ECONÔMICO E O NEOCOLONIALISMO PRIVADO

Assim, por meio desse canibalismo econômico é possível formar conglomerados empresariais sem que de fato (o indivíduo ou grupo de indivíduos) tenha capital. Nestes casos, os magnatas utilizam-se de Participações Recíprocas ou Cruzadas, tal como aconteceu na Privatização da Vale do Rio Doce que, depois de efetuados os descruzamentos de participações societárias, a citada mineradora ficou sob o controle da PREVI - Fundação de Previdência Complementar os Funcionários do Banco do Brasil.

2.5. O CANIBALISMO ECONÔMICO IMPOSSIBILITANDO O CRESCIMENTO DAS STARTUPS

Enquanto a maioria das startups (novas empresas com grandes e aventureiras ideias) se despistam (sorrateiramente somem) e queimam (perdem seu patrimônio e o de terceiros que acreditaram nelas), outras pessoas (menos aventureiras), podem começar um empreendimento com seu próprio dinheiro, obtido com o árduo trabalho e com muita vontade de vencer na vida.

Então, enquanto essas pessoas ainda existirem, poderemos dizer que o capitalismo autêntico ainda vive. Mas, sejamos honestos, o capitalismo autêntico ocupa um cantinho cada vez mais diminuto nos EUA e nos demais países considerados como participantes da globalização dos mercados.

Com uma força de trabalho de 150 milhões e cerca de 120 milhões de trabalhadores em tempo integral, a economia dos EUA tem cerca de 6 milhões de pequenas empresas com empregados (assalariados) e alguns milhões de empreendedores em nome individual (não assalariados) que formam uma significativa classe média. Contudo, a classe média de trabalhadores por conta própria (empresa individual ou microempreendedor individual) está em vias de extinção.

A influência política e financeira das pequenas empresas e dos trabalhadores por conta própria mal se sente (mal se enxerga) na K Street, Wall Street e em Washington D.C.

Os políticos louvam a empresa de pequeno porte, da mesma forma que falam de pequenas fazendas familiares como a espinha dorsal da agricultura norte-americana. Trata-se obviamente de demagogia utilizada como uma forma de obter o apoio e o voto popular ("só para inglês ver").

Mas, por baixo dos panos, ou seja, por baixo das toalhas das mesas de um rico e luxuoso restaurante, aqueles políticos demagogos embolsam as polpudas contribuições para suas campanhas que vêm de grandes empresas como a Monsanto e a Big Ag ou mesmo de empreiteiras de outras públicas, como acontece no Brasil. E não me venha dizer que essas empreiteiras corruptoras pertencem aos trabalhadores, os esquerdistas.

2.6. OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS UTILIZADOS CONTRA OS MENOS FAVORECIDOS

Aquelas empresas norte-americanas citadas no texto original, são pesquisadoras, fabricantes e vendedoras de vários tipos de tecnologias para que não sejam gerados empregos braçais na área rural, assim como, a mecatrônica industrial também acabará com a maior parte dos empregos para operários nas indústrias. Isto significa que dentro de poucos anos só existirá empregos para as classes "A" e "B". Uns poucos empregos serão gerados para as classes "C" e "D", salvo se forem para o exercício da função de "burros de carga", tal como trabalhavam os antigos estivadores nos portos do mundo inteiro.

Enquanto isso, no mundo real, o número de empresas de pequeno porte está a diminuir (tal como aconteceu no Brasil durante o Desgoverno Temer).

2.7. O DINHEIRO ESCRITURAL (VIRTUAL) INUNDANDO O SISTEMA BANCÁRIO FANTASMA

Assim, no lado especulativo, o dinheiro corporativo (escritural, tal como uma moeda virtual criptografada) inunda o setor financeiro por intermédio do Shadow Banking System, que o Sistema Bancário Fantasma em que operam os Bancos Offshore constituídos em Paraísos Fiscais. Mas, pelo menos um desses bancos pode estar sorrateiramente atuando como agiota na casa vizinha.

E outras artimanhas enganadoras de incautos investidores foram engendradas pelos praticantes do canibalismo econômico como os Créditos de Carbono, os Derivativos Financeiros, as Operações de Hedge e de SWAP, o Mercado de Balcão Organizado, os Cassinos Virtuais, o Mercado Forex, o Crowdfunding (a Vaquinha Online), os Bancos Offshore, os Fundos de Hedge, os Fundos de Investimentos em Commodities, o Mercado de Índices, entre outras arapucas do capitalismo bandido dos barões ladrões.

O Banco Central do Brasil já regulamentou a atuação de Bancos Virtuais. Um desses vai operar na qualidade de Sociedade de Empréstimo entre Pessoas (SEP) e o outro na qualidade de Sociedade de Crédito Direto (SCD), de conformidade com o disposto na Resolução CMN 4.656/2018.

2.8. A ESPECULAÇÃO GLOBALIZADA E AS OPERAÇÕES DAY-TRADE DOS AVENTUREIROS SEM CAPITAL

Como consequência dessa especulação globalizada, empresas de aventureiros sem capital passaram a valer bilhões de dólares, mas eles não as querem vender, mesmo porque ninguém seria louco de comprar algo que de fato não existe, elas existem só no papel.

Enquanto isso, naqueles mercados virtuais e também nas Bolsa de Valores, por meio de operações DAY-TRADE, os aventureiros sem capital, na qualidade de espertos estelionatários, tentam enganar os trouxas.

E, as moedas virtuais, nem no papel existem. Por isso, os partidários dos mentores das privatizações brasileiras acham mais fácil e lucrativo comprar uma Estatal privatizada, com o dinheiro emprestado pelo próprio governo. Mas isto não é para qualquer um. É só para aqueles que forem importantes partidários do governante de plantão.

2.9. TARDIAMENTE DESCOBRIRAM QUE AS EMPRESAS NORTE-AMERICANAS ESTÃO FALIDAS

O Washington Post publicou um estudo que desvendou um grande mistério, do qual ninguém ousa falar. Ficaram sabendo, com base na atual estrutura e conjuntura mundial, que as empresas norte-americanas, que ainda não estão em Paraísos Fiscais, podem ser destruídas em menor tempo do que o necessário para que elas alcançassem o patamar em que se encontravam antes do SOX - Sarbannes-Oxley Act de 2002.

Essa implosão dos capitalistas sem capital também pode ocorrer com os grandes conglomerados empresárias sediados em paraísos fiscais que foram formados como "castelos de cartas" (sem alicerces).

Ou seja, as incorporações efetuadas em cascata (que geraram tais conglomerados) baseiam-se na troca de ações entre controladores e controlados. Então, muitas dessas empresas têm alto valor patrimonial mediante a artificial valorização de Participações Recíprocas ou Cruzadas.

Isto significa que, se for efetuada a Consolidação das Demonstrações Contábeis de todas as empresas de um conglomerado, o resultado pode mostrar que verdadeiramente aquele dito império não tem capital. Ou seja, o império foi formado apenas com a troca de papéis e sem dinheiro investido. Por isso, dizem que capital é trabalho. Como eles não trabalham, nada produzem, o capital que ostentam é falso, é inexistente.

Assim sendo, tal como aconteceu na quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, que resultou na chamada de Crise de 1929, as ações especulativamente supervalorizadas (das empresas daquela época) eram rasgadas, transformadas em confete e atiradas pelas janelas. Atualmente, as ações das multinacionais pode ter o idêntico final catastrófico. Foi naquela época e provavelmente num breve futuro também será anunciado o Fim do Mundo Especulativo e Meramente Ilusório. Mas, tudo voltou a ser como antes, a partir da década de 1970, com a extinção do padrão-ouro para o dólar. Foi a partir dali que os neoliberais passaram a praticar a Contabilidade Criativa e promoveram a Proliferação dos Paraísos Fiscais.

Depois de 1929 aconteceram muitas outras quebras das Bolsas de Valores e dos Estados Unidos da América. Um dos fatos mais importantes, foi o que mostrou a inegável falência norte-americana. Essa falência foi demonstrada pela extinção do  PADRÃO-OURO para o DÓLAR, transformando-o no chamado de Dólar Furado ou dólar sem lastro.

Em 2002 o SOX - Sarbannes Oxley Act tentou penalizar o já mencionado Capitalismo Bandido dos Barões Ladrões. Porém, não satisfeitos com seus grandes vexames, inclusive nas guerras imperialistas, em 2008 foi Declarada a Falência dos Estados Unidos da América, por enquanto, irreversível, mesmo depois de decorridos 10 anos.

2.10. A FALSA ECONOMIA - O ESTADO EMPREENDEDOR E A FALTA DA INICIATIVA PRIVADA

Sobre o tema em questão, veja as informações sobre o que está no livro A Falsa Economia e no livro intitulado O Estado Empreendedor e a Falta da Iniciativa Privada.

Embora não seja exatamente uma surpresa, esta é uma prova séria de que a pequena empresa está em declínio estrutural naquele país símbolo do capitalismo anárquico. Tendo 22,4 milhões de empresas com alguma renda por conta própria, parece um número grande, mas a maioria de seus donos ganha uma ninharia. Somente uns pouco ganham o que se pode classificar de renda de classe média e 3 milhões destes são sociedades ou parcerias entre profissionais de nível superior ou técnico.

Empresas Não Patronais são aqueles em que seus Donos e os seus famílias são os principais serviçais.

O Capitalismo Moderno deixou de se basear no Trabalho Humano. Os Rentistas passaram a usar o sistema financeiro como um Cassino Global em que são feitas apostas mirabolantes, meramente especulativas. Esse é o Capital Financeiro.

Nesse Sistema Bancário Fantasma grandes montantes realmente transitam, mas apenas na forma escritural. Ninguém leva dinheiro no Bolso. Não se ganha dinheiro fazendo carros populares. Faz-se dinheiro vendendo empréstimos, operações clandestinas, comprando e vendendo subprimes e outros tipos de derivativos financeiros, fazendo-se operações de hegde e de swap, apostas no mercado futuro de commodities, de moedas virtuais e de muitas outras operações do tipo daytrade em que as apostas de um determinado dia são revertidas até o final daquele mesmo dia. E a liquidação financeira (ganho ou perda) é feita pela diferença entre o preço de compra e o de revenda ou o preço de venda e o de recompra de um mesmo ativo intangível, que não se pode pegar ou ter porque verdadeiramente não existe, é ilusório.

As corporações não mais estão vendendo seus produtos para alavancar o preço de suas ações. Elas preferem comprar de volta as suas ações como uma forma de empurrar o preço das ações para cima (manipulação das cotações - crime previsto na nossa Lei 7.913/1989). Estima-se que a maioria dos lucros das empresas baseia-se em simulações e dissimulações de operações envolvendo paraísos fiscais e mediante apostas com derivativos financeiros que se apresentam como truques para alavancar lucros fictícios que têm como intuito enganar investidores.

Assim, a manipulação das cotações gera lucro. A empresa compra suas ações que estão com um investidor por preço baixo e as coloca "em Tesouraria" e depois as vende para outro investidor por preço mais alto.

Veja a explicação de como é feita no texto A Liquidez no Mercado de Ações.

Depois de uma Propaganda Enganosa (fake news) como a veiculada em 09/07/2018 por Época Negócios - Globo.Com  (Reuters) sobre o DOW e S&P, obviamente muitos nefelíbatas (sonhadores) serão mais uma vez vítimas dos mesmos especuladores de sempre. Essas enganações são cíclicas. Acontecem tempos depois que muitos dos pequenos investidores perderam e fugiram desse mercado altamente especulativo. Mas, sempre aparecem outros querendo entrar na jogatina. Assim também acontece nos Cassinos e nos bingos clandestinos.

Segundo o IHODI.COM, em 22/07/2015, um tal de Arshad Ali (existem muitos homônimos) descreveu naquela época a dinâmica subjacente do capital financeiro numa publicação no Facebook: a falta de crescimento autêntico está impulsionando o canibalismo financeiro:

O sistema bancário moderno desde o século XX tem-se baseado em empréstimos para pessoas que fazem algo produtivo com o capital como explorar negócios com sensível oportunismo. Fazem propaganda na televisão ou em outros meios de comunicação, vendem milhares de unidades (e até milhões) de determinado produto (como as moedas virtuais criptografas), ficam ricos (ou perdem tudo) e desaparecem. Tempos depois, aqueles ou outros oportunistas, voltam à cena com outra enganação. Assim também fazem os profissionais do mercado de capitais. Já inventaram até papel higiênico com história em quadrinhos, na década de 1970. E teve gente que investiu nesse tipo de STARTUP.

Mas toda essa equação estanca porque neste planeta os recursos naturais são limitados e finitos. Logo, está difícil encontrar um lugar (ou algo) inexplorado em que se possa investir para ganhar muito e durante longo período de tempo. E quando é encontrado esse lugar (ou algo) em que se possa investir, o valor aplicado deve ser bem mais elevado que a poupança há anos acumulada. O que foi ganho no passado não é suficiente para que seja iniciado um investimento de porte ou a produção em larga escala. Aí entra o capital financeiro que se torna canibal, como tem sido ao longo das últimas décadas. É por isso que os gregos, por exemplo, não podem crescer diante do grande buraco causado por sua divida. Não há onde investir com lucro suficiente para o pagamento dos juros da dívida acumulada, obviamente porque não só a Grécia como os demais países europeus não mais têm reservas naturais para serem exploradas.

É por isso que as corporações estão a "investir" nas suas próprias ações, desde a década de 1990. Não há lugar para investir e crescer em atividades produtivas, todas elas já cartelizadas por multinacionais escondidas em paraísos fiscais. Por isso os acionistas controladores das grandes empresas estão optando pelo canibalismo econômico por intermédio do sistema financeiro e do mercado de capitais, comprando favores regulamentares e fiscais de sistemas políticos completamente corruptos para garantir os seus lucros, que são utilizados para recomprar as ações que ainda estão em circulação. Desse modo, o acionista controlador sempre compra por preço baixo de quem quer vender e sempre vende por preço maior para quem quer comprar as ações de sua empresa.

Profissionais do mercado utilizam-se dos derivativos financeiros ou de opções de compra e de venda para manipulação dos preços, causando prejuízos aos investidores incautos, iludidos com a possibilidade de ficarem ricos. Com isso, os praticantes do canibalismo econômico armazenam dezenas de milhões em ganhos pessoais, assim devorando o patrimônio dos menos favorecidos e desse jeito aumentado a fortuna nas mãos de poucos.

Mesmo com tantas falcatruas, poderíamos dizer que o capitalismo autêntico ainda existe, mas já foi relegado ao segundo plano. Agora prevalece o jogo (as apostas) e a especulação. Ou seja, as peças do capitalismo financeiro (cartel, compadrio, dumping) agem como se estivessem numa mesa de pôquer. Por isso, são comuns os blefes causadores dos prejuízos aos acionistas minoritários e aos demais investidores de pequeno porte. E para manipulação das cotações são utilizadas as verbas existentes nos grandes fundos de investimentos, desde os tempos em que foram criados os Fundo de Investimento DL 157 (em 1967). Nesse âmbito, muitos administradores de Fundos de Pensão a partir do final de 1977 receberam a agora conhecida propina para que deixassem o Fundo perder em detrimento das aposentadorias de seus beneficiários. Dessa forma, (os jogadores mais fortes) os tubarões devoram os peixinhos (os jogadores mais fracos).

Como o crescimento autêntico está cada vez mais escasso, mais difícil de alcançar e as maracutaias não são exceções, não há outra maneira de serem colhidos altos lucros, a não ser por intermédio do canibalismo econômico que se apresenta como estelionato.

3. VÍDEO: ROBERTO REQUIÃO DETONA A CORRUPÇÃO E O CAPITAL VADIO

ASSIM, REQUIÃO DETONOU O CANIBALISMO ECONÔMICO

Requião errou: Não foi somente um bilhão que o Trump conseguiu liberar.
TRUMP conseguiu um trilhão e quinhentos bilhões de dólares para gerar empregos nos Estados Unidos.
Temer e seus apoiadores fizeram o inverso. Os investimentos públicos foram proibidos durante 20 anos.