início > textos Ano XXII - 19 de outubro de 2020


QR - Mobile Link
TELEBRÁS - QUANTO CUSTA UMA DÚZIA DE BANANAS?

MENTIRAS E VERDADES SOBRE A PRIVATIZAÇÃO DAS TELES

OS MOTIVOS DA ESTATIZAÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA

São Paulo, 15/04/2011 (Revisado em 15/03/2019)

Referencias: Terceirização, Privatização das Empresas Estatais de Telecomunicações, Monopólio, Oligopólio, Avaliação de Empresas, Lei 7.913/1989 - Crimes Contra Investidores, Manipulação da Cotações nas Bolsas de Valores por Corretores de Valores. Fiscalização do Mercado de Capitais - CVM - Comissão de Valores Mobiliários. Motivos da Criação das Estatais. Sonegação Fiscal, Lavagem de Dinheiro, Blindagem Fiscal e Patrimonial, Internacionalização do Capital, Fraudes e Desfalques contra o Patrimônio Público. Governabilidade e Desenvolvimento Nacional, Tributos - Receitas Governamentais e Gastos Públicos - Investimentos.

4. QUANTO CUSTA UMA DÚZIA DE BANANAS?

Por Fábio F Parada - Bacharel em Direito e Américo G Parada Fº - Contador

O articulista tenta explicar:

Recordemos o que ocorreu na privatização. Em primeiro lugar, é preciso lembrar que o governo federal só detinha 19% das ações da Telebrás, já que a grande maioria das ações da empresa havia sido pulverizada nas mãos de milhões de acionistas privados.

4.1. PLANOS DE EXPANSÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES

Por Fábio F Parada - Bacharel em Direito e Américo G Parada Fº - Contador

Ainda durante os governos militares, foram lançados os Planos de Expansão das Telecomunicações (estaduais) controlados por Holdings Federais por segmentos operacionais. E, os projetos foram feitos pelo governo federal porque nenhuma empresa privada brasileira ou estrangeira queria investir no Brasil.

Antes mesmo de se falar em privatização, as ações a que tinham direito os investidores brasileiros, obtidas mediante a aplicação de suas poupanças nos Planos de Expansão, foram vendidas por eles mesmos também a “preço de banana”, porque nenhum corretor das Bolsas de Valores disse a eles que não as vendessem porque poderiam valer muito dinheiro no futuro, se as empresas estatais fossem privatizadas.

Pelo contrário, os corretores de valores mobiliários iludiram os adquirentes dos telefones dizendo que aquelas ações nada valiam, taxando-as de "TÍTULOS PODRES" ou "Moedas Podres". Diziam que somente o telefone valia algum dinheiro, o que era a mais deslavada mentira (grande peta).

Vejamos a frase encontrada no Dicionário Aurélio sobre os mentirosos e suas petas:

Como os grandes mentirosos, que acabam acreditando nas próprias petas, o charlatão de classe é o que se convence da autenticidade das suas burlas” (autor: Walter Benevides, livro: Da Arte de Ter Clínica).

A frase, além de se aplicar aos corretores de títulos e valores mobiliários, também se aplica aos anarquistas mercenários da mídia. E, os mais enganados por eles são os chamados de "coxinhas".

Naquela época em que os investidores eram cinicamente enganados pelos corretores de valores mobiliários, havia até um mercado de venda de telefones e quem mais lucrava, como sempre acontece, era o comerciante (intermediário).

PRÓXIMO TEXTO: CRIME DE MANIPULAÇÃO DAS COTAÇÕES DAS AÇÕES