início > textos Ano XXI - 3 de junho de 2020



QR - Mobile Link
A PROLIFERAÇÃO DOS PARAÍSOS FISCAIS

O ATIVO FISCAL INTANGÍVEL E A CONTRIBUIÇÃO NÃO MENSURÁVEL

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO OU SONEGAÇÃO FISCAL

São Paulo, 06/11/2014 (Revisado em19-08-2019)

13 - A PROLIFERAÇÃO DOS PARAÍSOS FISCAIS

Por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFE

A SONEGAÇÃO FISCAL E A BLINDAGEM PATRIMONIAL

Foi a partir da década de 1970 que começou A Proliferação dos Paraísos Fiscais, os quais passaram a abrigar ou a esconder o patrimônio (Blindagem Patrimonial) e os lucros (Sonegação Fiscal) das grandes empresas de todo o mundo e principalmente as dos países desenvolvidos.

Os grandes mentores desse descompasso mundial vivido neste século XXI foram os liberais ou neoliberais representados por Ronald Reagan (USA) e Margaret Thatcher (Reino Unido).

Nos Estados Unidos, o Presidente Ronald Reagan reduziu pela metade a tribulação dos lucros obtidos no exterior. Assim, as empresas norte-americanas transformaram-se em multinacionais e foram paulatinamente transferindo para o estrangeiro a produção que antes gerava a Receita de Exportação estadunidense.

O CAPITALISMO BANDIDO DOS BARÕES LADRÕES

Essa fuga de capitais e de lucros (evasão de divisas) com o consequente não pagamento tributos (evasão fiscal),depois largamente praticadas pelas grandes empresas dos países chamados de hegemônicos, os levou à bancarrota neste século XXI, provocando também a chamada de Crise Mundial de 2008. Essa foi a herança deixada pelo Capitalismo Bandido dos Barões Ladrões e suas insanas falcatruas.

OS NEOLIBERAIS PROVOCARAM A BANCARROTA DOS PAÍSES DESENVOLVIDOS

Então, podemos dizer sem medo de errar que a bancarrota dos países desenvolvidos, provocada pelos seus défices internos (falta de arrecadação tributária) e pelos seus défices externos (exportações menores que as importações), aconteceu em razão da ação nefasta dos paraísos fiscais e das grandes corporações chamadas de multinacionais ou transnacionais.

Este foi o principal tema discutido em 2013 pelo G-20 (grupos dos 19 países mais desenvolvidos, somados aos da União Europeia, que são considerados um único país). Veja as notícias no texto:Em 2013 o G-20 Discutiu a Sonegação Fiscal das Multinacionais.

As grandes empresas brasileiras também fizeram o mesmo que as chamadas de multinacionais, razão pela qual o Brasil também chegou à bancarrota na década de 1980 e também na década de 1990, que foram consideradas como Décadas Perdidas.

O RENASCIMENTO DO BRASIL DEPOIS DAS DUAS DÉCADAS PERDIDAS

Porém, o novo governo brasileiro iniciado em 2003 soube recuperar o nosso País, extinguindo os défices, bastando agora que se tome as providências necessárias para que as grandes empresas privadas não façam conosco o que fizeram com os países europeus e com os Estados Unidos, os quais não estão conseguindo ver a luz no fim do túnel e já estão ficando atolados na lama existente no fundo do poço.

Veja o texto Poços Sem Fundo sobre os crimes contra investidores praticados por grandes empresas norte-americanas que chegaram à falência e ainda o texto sobre a insolvência dos Fundos de Pensão Estaduais nos Estados Unidos. Isto significa: Miséria à vista, lá nos países desenvolvidos.


(...)

Quer ver mais! Assine o Cosif Eletrônico.