início > cursos Ano XXI - 18 de outubro de 2019



QR - Mobile Link
FISCALIZAÇÃO INTEGRADA - GOVERNOS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

OS BANCOS E O ISS II

A FISCALIZAÇÃO DO ISS E O PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

FISCALIZAÇÃO INTEGRADA - GOVERNOS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL (Revisada em 23/10/2017)

Por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFE

A INEFICIÊNCIA DA FISCALIZAÇÃO FEDERAL NOS MUNICÍPIOS

Para evitar esse complexo trabalho de auditoria contábil, o Agente Fiscal municipal ou estadual poderia levar em consideração que o Banco Central do Brasil já cumpriu a parte que lhe compete como Agente de Fiscalização do SFN - Sistema Financeiro Nacional, o que na prática não acontece principalmente nas agências que nunca são visitadas pelos analistas daquela autarquia federal.

O fiscalizador municipal também poderia levar em consideração que os Auditores Fiscais da Receita Federal já fiscalizaram os tributos que lhes competem como a contribuição social sobre o lucro líquido, o imposto de renda na fonte e o imposto de renda da pessoa jurídica, a CPMF, o COFINS, o IOF - Imposto sobre Operações Financeiras e o PIS/PASEP, o que geralmente também não é feito.

Portanto, EM TESE, se houvesse irregularidades contábeis, fiscais e operacionais os citados agentes de fiscalização já as teriam descoberto. Mas, como foi mencionado, esse trabalho chamado de "fiscalização direta" dificilmente é efetuado.

Então, na prática esse trabalho por conta e ordem do governo federal e do governo estadual já devia estar sendo feito pelos agentes municipais devidamente treinados por aqueles e também com o devido ressarcimento dos custos operacionais. Sai muito mais dispendioso para o governo federal e para o estadual manter delegacia em cada um dos municípios do que celebrando convênios com as prefeituras.

ÓRGÃOS FEDERAIS TREINANDO ÓRGÃOS ESTADUAIS E MUNICIPAIS

Considerando-se que a fiscalização, em razão dos motivos expostos é ineficiente, tanto o Banco Central como a Receita Federal, entre outros órgão das esferas federal e estadual, poderiam treinar os auditores municipais para realização desse trabalho integrado de fiscalização, visto que na prática o fato gerador de todos os tributos acontece na esfera municipal.

Então, tal como é feito no Poder Judiciário quanto um juiz pede a ouro de outra comarca para que seja ouvida determinada testemunha domiciliada naquela cidade, as prefeituras também poderiam fazer os trabalhos de fiscalização em nome do Estado Federativo e da União. Desse maior entrosamento sairiam beneficiadas as três esferas de governo.

Sobre esse mencionado intercâmbio de informações fiscais entre órgãos governamentais, nos artigos 199 e 200 do CTN - Código Tributário Nacional lê-se:

Art. 199 - A Fazenda Pública da União e as dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios prestar-se-ão mutuamente assistência para a fiscalização dos tributos respectivos e permuta de informações, na forma estabelecida, em caráter geral ou específico, por lei ou convênio.

Parágrafo único. A Fazenda Pública da União, na forma estabelecida em tratados, acordos ou convênios, poderá permutar informações com Estados estrangeiros no interesse da arrecadação e da fiscalização de tributos. (Acrescido pela Lei Complementar 104/2001)

Art. 200 - As autoridades administrativas federais poderão requisitar o auxílio da força pública federal, estadual ou municipal, e reciprocamente, quando vítimas de embaraço ou desacato no exercício de suas funções, ou quando necessário à efetivação de medida prevista na legislação tributária, ainda que não se configure fato definido em lei como crime ou contravenção.

Por sua vez, para facilitar o trabalho de fiscalização repassado ao município, o Banco Central, por exemplo, poderia criar sistema ligado ao SPED - Sistema Público de Escrituração Digital em que os bancos e todas as empresas com filiais remeteriam dados eletrônicos relativos às suas agências ou filiais, que estariam consolidados com as informações sobre todo o conglomerado financeiro e empresarial.

Esse mesmo tipo convergência de dados poderia ser efetuado na esfera estadual para fiscalização dos tributos federais (principalmente o IPI) acoplados às apurações tributárias estaduais (principalmente o ICMS). O ICMS e o IPI, por meio da NF-e - Nota Fiscal Eletrônica, como são tributos incidentes sobre a venda de produtos industrializados e de mercadorias de modo geral, já estariam integrados.

O ARTIGO 199 DO CTN E OS CONVÊNIOS PARA PLENA FISCALIZAÇÃO

Para que seja procedida a auditoria na Matriz de um banco, com base no artigo 199 do CTN - Código Tributário Nacional, o município em que está situada a agência deverá firmar convênio com o município em que está situada a matriz, para que este efetue a apuração ou forneça os dados, caso já estejam apurados.

O problema é que o código tributário em seu artigo 195 não cita como obrigadas a prestar esclarecimentos à fiscalização as empresas prestadoras de serviços, que neste caso são os bancos. Vejamos o texto do artigo:

Art. 195 - Para os efeitos da legislação tributária, não têm aplicação quaisquer disposições legais excludentes ou limitativas do direito de examinar mercadorias, livros, arquivos, documentos, papéis e efeitos comerciais ou fiscais dos comerciantes, industriais ou produtores, ou da obrigação destes de exibi-los.

Mesmo a Lei Complementar 116/2003, que dispõe sobre ISS, não é tão clara. Então, parte-se do pressuposto que a Constituição Federal de 1988 dá os plenos poderes para os municípios e o Distrito Federal legislar e fiscalizar sobre o ISS - Imposto sobre Serviços.

É preciso chamar a atenção para determinados fatos que parecem insignificantes porque nas causas judiciais os advogados dos banqueiros vão buscar os mínimos detalhes para satisfação dos extremos desejos de seus patrões.


(...)

Quer ver mais! Assine o Cosif Eletrônico.