início > textos Ano XXI - 13 de novembro de 2019



QR - Mobile Link
TRAMPOLINAGENS DE TRUMP PODEM PREJUDICAR POVO IANQUE

TRAMPOLINAGENS DE TRUMP PODEM PREJUDICAR POVO IANQUE

GUERRA COMERCIAL: POR QUE TRUMP VAI PERDER?

São Paulo, 18/08/2019 (Revisada em 20/08/2019)

Referências: Guerra Fiscal, Cambial e Comercial, Importações Maiores que as Exportações = Déficit no Balanço de Pagamentos = Aumento da Dívida Externa. Produção Industrial em Depressão = Desemprego, Inadimplência, Miséria, Criminalidade, Ausência de Arrecadação Tributária = Déficit no Orçamento Nacional = Aumento da Dívida Interna. Falência dos Países Desenvolvidos. Países com elevadas Reservas Monetária podem fazer o dólar virar pó, porque com ele nada podem comprar nos Estados Unidos. Lá não há o que vender. Prejuízo para países Exportadores do Oriente e do Terceiro Mundo = Países situados abaixo do Trópico de Câncer e do Hemisfério Sul.

GUERRA COMERCIAL: POR QUE TRUMP VAI PERDER?

Texto de autoria de Paul Krugman - Premio Nobel de Economia em 2008. Traduzido por Antônio Martins. Publicado por OUTRAS PALAVRAS em 14/08/2019, tema: CRISE CIVILIZATÓRIA

Para entender a guerra comercial em curso entre os Estados Unidos e a China, a primeira coisa a compreender é que nenhuma das ações de Donald Trump faz sentido. Suas visões sobre comércio são incoerentes. Suas demandas são incompreensíveis. E ele superestima em muito sua capacidade de ferir a China, enquanto subestima os danos que Pequim pode causar, ao reagir.

O segundo ponto a entender é que a resposta da China foi, até agora, muito modesta e comedida, ao menos considerando o cenário. Os EUA impuseram ou anunciaram tarifas sobre virtualmente tudo o que a China vende a eles, com tarifas médias não vistas há uma geração. Os chineses, em contraste, ainda têm um vasto espectro de ferramentas a seu dispor, para neutralizar as ações de Trump e ferir sua base eleitoral.

Leia o restante do texto traduzido do inglês para o português no endereçamento acima destacado.

Chamada publicada no Facebook do COSIFE por Fábio Parada:

Nobel de Economia analisa: "EUA já usaram todas as suas armas; a China, quase nenhuma. Pequim não quer o conflito – mas pode, se provocada, humilhar o adversário. Parvo, presidente perde-se em retórica oca e contradições"

Comentário de Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFE:

Fala-se de guerra cambial, fiscal e comercial, mas a realidade é outra. Os jargões podem ser até considerados como alarmistas, mas, como diz o velho ditado: CACHORRO QUE LATE NÃO MORDE.

Na realidade, os países desenvolvidos estão imensamente preocupados com o constante aumento de suas dívidas, cujos recursos financeiros captados são utilizados para financiamento de seus elevados défices internos (Orçamento Nacional) e externos (Balanço de Pagamentos).

Os déficits internos são gerados pela falta de arrecadação tributária tal como no Brasil.

Ou seja, a economia lá e aqui está parada por falta de consumidores que estão desempregados e inadimplentes (não têm condições de pagar suas dívidas e por isso não podem comprar a prazo). Nos STATES as compras a prazo só existem para aquisição de automóvel novo ou para compra de imóvel. O restante, só à vista.

Essa decadência ianque vem acontecendo desde a década de 1970, quando acabou o padrão ouro para o dólar e também em razão da paulatina redução da produção interna. Tal paridade entre o dólar e o ouro foi extinta porque a grande quantidade de dólares (as verdinhas emitidas) em circulação no mundo já era (talvez) muitas vezes maior que o valor do ouro em estoque que garantia a liquidez daquela moeda.

Toda essa Derrocada Norte-Americana piorou na década de 1990 porque executivos inescrupulosos resolveram enganar e roubar a poupança do povo norte-americano.

Em consequência disso, já que o SOX - Sarbanes-Oxley Act de 2002 não surtiu o efeito desejado de combater os mencionados inescrupulosos, neste século XXI, a especulação imobiliária ianque e a fuga de suas empresas industriais para a China e para outros países com mão de obra mais barata, resultou em desemprego e inadimplência, como vem acontecendo no Brasil desde que Temer foi eleito vice-presidente.

Isto prejudicou imensamente a arrecadação tributária, tanto lá como aqui, gerando mais déficits no Orçamento Nacional deles do que no nosso.

Então, como é sabido, sem produção não há emprego (não há trabalho) e sem emprego não há acumulação de capital porque CAPITAL É TRABALHO, segundo a Teoria Econômica.

Por sua vez, os déficits externos norte-americanos (e o dos demais países desenvolvidos) acontecem porque, repetindo, tal como aconteceu no Brasil, as indústrias privadas fecharam suas portas e foram produzir na China e em outros países daquele continente em que as leis trabalhistas são frouxas ou inexistentes.

Por isso, devido a existência de paraísos fiscais em seu território, como também existe nos Estados Unidos, a China está abarrotada de Reservas Monetárias em dólares. A China tem mais Trilhões em Reservas Monetárias que o valor do nosso maior PIB - Produto Interno Bruto, ocorrido em 2010. Hoje, em 2019, nosso PIB é metade daquele.

Então, para evitar essa fuga das suas empresas "Campeãs Nacionais" dos países europeus para a China, aqueles países começaram a re-estatizar as suas privatizadas (vendidas) na década de 1990.

Porém, os doentes mentais do capitalismo bandido norte-americano preferem a miséria no país do que estatizar as suas "Campeãs Nacionais", como quiseram fazer um dos prefeitos de DETROIT e presidente Barak Obama para reativar as montadoras de veículos, entre outras indústrias.

Observe que no Brasil as empresas foram CONCEDIDAS (menos mau) porque a Constituição Federal de 1988 (e as anteriores), desde Getúlio Vargas (que se apossou do governo em 1930), não permite a venda do Patrimônio Nacional.

Mas, lá nos STATES depois da segunda guerra mundial (quando morreu Franklin Roosevelt) e na Europa na década de 1990, as empresas estatais foram de fato vendidas, por isso puderam fugir para o exterior.

Então, mais uma vez repetindo, como não mais há suficiente produção industrial nos STATES para exportação e nem mesmo para pleno suprimento do consumo interno (demanda), as importações tornaram-se maiores que as exportações gerando os déficits no Balanço de Pagamentos e ao mesmo tempo os déficits no Orçamento Nacional por falta de arrecadação tributária.

Como TRUMP, por ser empresário e por mero corporativismo, não pode promover a estatização das indústrias ianques, para redução das importações, criou as sobretaxas. Mas, o que realmente ele quer, presume-se, é o retorno para seu país de todas aquelas empresas privadas que foram produzir na China e noutros países. Essa é a realidade. O retorno dessas empresas tiraria os USA - EEUU da quase irrecuperável falência em que se encontra.

POR ISSO TRUMP ESTÁ TÃO DESNORTEADO QUANTO UM CEGO NUM TIROTEIO.