início > textos Ano XXI - 28 de fevereiro de 2020



QR - Mobile Link
O DESESPERO DE UMA JORNALISTA PREOCUPADA COM O FUTURO DO BRASIL

O DESESPERO DE UMA JORNALISTA PREOCUPADA COM O FUTURO DO BRASIL

LULA DEFENDA O PRÉ-SAL DO PROJETO ENTREGUISTA DE JOSÉ SERRA

São Paulo, 27/06/2015 (Revisada em 27-06-2015)

Referências: Neocolonialismo, Pré-Sal, Petrobrás, Nacionalismo, Patriotismo, Preconceito e Discriminação dos Inimigos do Brasil.

O DESESPERO DE UMA JORNALISTA PREOCUPADA COM O FUTURO DO BRASIL

Por Américo G Parada Fº - Contador - Coordenador do COSIFE

Segundo o site Wkipedia, Hildegarg Angel é filha da estilista Zuzu Angel e de Norman Angel Jones, irmã do ex-militante político Stuart Angel Jones. Ela trabalhou como atriz no teatro, no cinema e na televisão nas décadas de 1960 e 1970, antes de se tornar conhecida no jornalismo, especialmente como colunista social a partir dos anos 1980. Dedicou-se ao colunismo social no jornal O Globo, e, posteriormente, de 2003 a 2010, no Jornal do Brasil.

Fundou em 1993 o Instituto Zuzu Angel, entidade sem fins lucrativos dedicada à promoção e à capacitação da moda no Rio de Janeiro, tendo como objetivo principal lembrar a luta de seu irmão, Stuart Angel Jones [contra a Ditadura Militar], e de sua mãe, a estilista Zuzu Angel, que teve uma morte considerada suspeita num acidente de automóvel no bairro de São Conrado, no Rio de Janeiro, em abril de 1976. Mantém um blog próprio, onde escreve sobre a sociedade carioca e a política nacional.

Diante desse breve histórico desenvolvido pelos colaboradores do Wikipedia poderíamos dizer que se trata de uma importante figura da aristocracia carioca, visto que foi colunista do jornal "O Globo" e do "Jornal do Brasil", que são considerados os dois mais lidos pela elite carioca e pelos profissionais com escolaridade de nível superior.

Então, o site Brasil 247 nos chama a atenção para um texto publicado por Hildegard Angel em seu site. Depois de lido, nota-se o desespero de uma jornalista preocupada com o futuro do Brasil. Não se trata de uma espécie de bairrismo ou disputa entre cariocas e paulistas. Trata-se nacionalismo e patriotismo. Aliás, não é a primeira que critica a atuação dos já conhecidos inimigos do Brasil, preconceituosos e discriminadores dos nordestinos e dos demais migrantes que procuraram trabalho especialmente na região sudeste.

No site Brasil 247 lê-se:

LULA DEFENDA O PRÉ-SAL DO PROJETO DE SERRA

247 - A jornalista Hildegard Angel afirma, em texto publicado em seu site, nesta quinta-feira [25/06/2015], que o que deve preocupar o ex-presidente Lula, neste momento, não é o PT, mas a votação em regime de urgência, no próximo dia 30, do projeto do senador José Serra, que reduz a participação da Petrobras no pré-sal. 

"No dia 30 próximo, daqui a cinco dias, irá a plenário no Senado o projeto de José Serra que reduz a participação da Petrobras no Pré-Sal. O PLS 131/2015 entrega o Pré-Sal em regime de urgência. Será dada então de imediato a partida para favorecer as petroleiras estrangeiras. Presidente Lula, não é o PT que está em causa. Não é a falta de idealismo de seus membros, que segundo o senhor se acomodaram, só pensam em cargos e salários, não vão mais às ruas, não se mexem e por isso precisam de novas motivações. É o Brasil, é o nosso futuro. A causa somos todos nós, ex-presidente Lula. Restam apenas cinco dias. Pois aí está uma bandeira a se abraçar, em hora aflita, quando vemos esvair entre nossos dedos a esperança de um Brasil ansiosamente sonhado e aguardado, com educação e saúde para todos, através da riqueza do nosso Pré-Sal", afirma ela.

Abaixo o texto na íntegra: Por Hildegard Angel

Lula, o que você faria se só lhe restasse um dia?

E Lula falou. Era o que todos esperavam. Ao lado de Felipe Gonzalez, para uma plateia de religiosos, Lula abriu a alma como uma beata compungida, ajoelhada diante da grade obscura do confessionário: “Dilma está no volume morto, o PT está abaixo do volume morto, e eu estou no volume morto. Estamos perdendo para nós mesmos”.

Falou e não surpreendeu. Quando muito, ganhou as manchetes dos sites da hora e dos jornais do dia seguinte, logo superadas pelas próximas manchetes, pois a usina de produção opera fumegante, alimentada pelos frentistas dos reservatórios de más notícias, que, quando não existem, são criadas.

Lula disse o que todo mundo já estava cansado de saber. Como se, Belo Adormecido, em estado de entorpecimento, tivesse sido despertado pelo beijo de uma reação retardatária. Acordou tarde. O futuro próximo dirá se tarde demais.

Assento de poltrona nova, em casa de família grande, ganha o formato daquele que se senta primeiro. Depois, ninguém consegue ocupar. Não só na política, em todos os setores da vida, não se pode deixar flanco nem espaço vago, que logo serão tomados.

O PT enfiou a cabeça na areia como avestruz envergonhada, ao longo de todo o processo do mensalão. A ave não voadora, curiosamente, traiu a própria espécie e alçou voo em todas as direções, sumindo do horizonte, abandonando à própria sorte os companheiros, que no jargão de guerra estariam servindo de “buchas de canhão”.

Lula fez seu "mea culpa" diante de Vossas Reverendíssimas: “Nós começamos a quebrar a cara ao tratar do Mensalão juridicamente. Então, cada um contratou um advogado muito sabido, esperto, famoso, desfilando por aí, falando que a gente ia ganhar na Justiça. E a imprensa condenando… Quando chegou o dia do julgamento, o pessoal já estava condenado”.

Com toda a admiração, que efetivamente tenho pelo ex-presidente, os governos do PT, seus e de Dilma, ‘quebraram a cara’ quando se omitiram no ‘Mensalão’ e não fizeram valer sua autoridade diante das gritantes arbitrariedades cometidas com o claro objetivo de desestabilizá-los, baseando-se os processos em depoimentos questionáveis, provas refutáveis, ‘domínios de fatos’ não domináveis, cerceamento de defesas, instâncias equivocadas e outras inúmeras aberrações jurídicas, sob a chancela e os aplausos de pé de uma mídia vergonhosamente parcial.

Assistiu então o Brasil ao primeiro capítulo de uma tragédia anunciada, que continua a se desenrolar na cena nacional, com ‘cabezas’ cortadas em série, rumo a um ápice avidamente esperado por opositores, que, se não vencem nas urnas, o farão no tapetão. Ou vai ou racha.

Após o estraçalhamento, pelo efeito ‘Mensalão’, de um dos mais belos, comoventes e dignos legados deixados às novas gerações de brasileiros – a luta heroica dos jovens mártires idealistas de 1968 contra a tirania e os horrores praticados pela recente ditadura militar no país – somos testemunhas da tentativa bem sucedida de se desmoralizar, aos olhos da Nação, a Petrobrás. A mais importante empresa do país. Premiada internacionalmente por suas competências. Respeitada, reverenciada e ambicionada. A empresa que desenvolveu as tecnologias das águas profundas e sozinha localizou a riqueza incomensurável do Pré-Sal.

A Shell, li esta semana, já depende 20% de nosso Pré-Sal, e a projeção é de que em muito breve dependerá 60% [porque o petróleo dos árabes está acabando].

No dia 30 próximo [30/06/2015], daqui a cinco dias, irá a plenário no Senado o projeto de José Serra que reduz a participação da Petrobras no Pré-Sal. O PLS 131/2015 entrega o Pré-Sal em regime de urgência. Será dada então de imediato a partida para favorecer as petroleiras estrangeiras.

Presidente Lula, não é o PT que está em causa. Não é a falta de idealismo de seus membros, que segundo o senhor se acomodaram, só pensam em cargos e salários, não vão mais às ruas, não se mexem e por isso precisam de novas motivações. É o Brasil, é o nosso futuro. A causa somos todos nós, ex-presidente Lula.

Restam apenas cinco dias. Pois aí está uma bandeira a se abraçar, em hora aflita, quando vemos esvair entre nossos dedos a esperança de um Brasil ansiosamente sonhado e aguardado, com educação e saúde para todos, através da riqueza do nosso Pré-Sal.

[Se o Brasil perder o Pré-Sal, estaremos eternamente condenados ao Neocolonialismo, que nos é impingido desde 1822.]

Paulinho Moska escreveu e Lenine cantou, “o que você faria, se lhe restasse apenas esse dia?”. Bem poderia ser hino deste momento.

O QUE VOCÊ FARIA?

Meu amor | O que você faria | Se só te restasse esse dia? | Se o mundo fosse acabar | Me diz o que você faria

Ia manter sua agenda | De almoço, hora, apatia? | Ou esperar os seus amigos | Na sua sala vazia

Meu amor | O que você faria | Se só te restasse esse dia? | Se o mundo fosse acabar | Me diz o que você faria

Corria pr’um shooping center | Ou para uma academia? | Prá se esquecer que não dá tempo | O tempo que já se perdia

Meu amor | O que você faria | Se só te restasse esse dia? | Se o mundo fosse acabar | Me diz o que você faria

Andava pelado na chuva? | Corria no meio da rua? | Entrava de roupa no mar? | Trepava sem camisinha?

Meu amor | O que você faria? | O que você faria? | Abria a porta do hospício? | Trancava da delegacia? | Dinamitava o meu carro | Parava o tráfego e ria?