início > início Ano XXII - 18 de abril de 2021


QR - Mobile Link
EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

AMÉRICO GARCIA PARADA FILHO

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Durante os 35 anos de sua trajetória profissional especializou-se em:

  1. Implantação de Sistemas Contábeis
  2. Contabilidade de custos em empresas industriais, comerciais e de prestação de serviços
  3. Auditoria Interna e Perícia Contábil (Extrajudicial)
  4. Intervenção, Liquidação e Transformação de Empresas
  5. Fiscalização e Investigação de Fraudes Contábeis, Fiscais, Tributárias e Cambiais
  6. Planejamento Tributário Nacional e Internacional (lícito e ilícito, neste último caso, como fiscalizador)
  7. Consultor, Parecerista e Facilitador de Aprendizado
Relação das Entidades em que trabalhou:
  1. CITIBANK S.A. (RJ) - instituição bancária (1961/1967):Trabalhou em diversas seções: contas correntes, arquivo geral, cobrança, contabilidade e no Gabinete do Vice-Presidente Residente; ainda não era formado em contabilidade.
  2. APARELHOS ELÉTRICOS TONELUX S.A. (RJ) - loja de departamentos (1967/1968):Assessor do Diretor Tesoureiro, incumbido da implantação do sistema de crédito direto ao consumidor e do contato com bancos e financeiras (desconto de duplicatas, cobrança caucionada e crédito ao consumidor); ainda não formado em contabilidade.
  3. OLIVETTI DO BRASIL S.A. (RJ) - indústria de equipamentos de escritório (1968/1971):Vendedor de máquinas de calcular e de escrever. Depois de formado em contabilidade - Vendedor de máquinas de contabilidade mecânicas, quando fazia a análise do sistema a ser implantado, programava as máquinas, desenhava fluxogramas e formulários a serem utilizados e implantava o sistema. Vendedor de computadores de segunda geração e de máquinas eletrônicas de mesa programáveis (semelhantes ao sistema da HP 12C), quando fazia a análise do sistema a ser implantado, auxiliava na programação e na implantação dos equipamentos.
  4. MPM PROPAGANDA S.A. (RJ) - empresa de propaganda (1971/1974):Contador (Ver Anuário Brasileiro de Propaganda - 1972/73), responsável pela contabilidade e pelo estudo e distribuição de normas fiscais e tributárias (matriz e filiais). Implantou novo sistema contábil, controle orçamentário e apuração de custos por departamento. Na época, a maior empresa de propaganda do Brasil em faturamento.
  5. PARADA & COSTA AUDITORIA E CONTABILIDADE LTDA.:Proprietário de escritório de contabilidade e auditoria especializado em empresas de propaganda e publicidade e de produções cinematográficas e de vídeos.
  6. PLUSVITA S.A. (RJ) - indústria alimentícia (1975/1976):Contador Geral. Implantou novo sistema contábil, contabilidade custos, controles permanentes de estoques de matérias primas, de produtos em elaboração, de produtos acabados e de peças de reposição para veículos e auditoria interna. Hoje é uma indústria do grupo Moinho Santista.
  7. IND.QUÍMICA FARMACÊUTICA SCHERING S.A. (RJ) - indústria farmacêutica (1976):Contador Assistente na Divisão Internacional, onde cuidava do controle orçamentário das subsidiárias da América Latina (desde o México até a Argentina) e da conversão de balanços e balancetes de moedas estrangeiras dos países de língua latina para o dólar norte-americano.
  8. BANCO CENTRAL DO BRASIL (RJ e SP) - autarquia federal (1976/1995):AUDITOR / INSPETOR / ANALISTA, com exercício do cargo de coordenador de fiscalização (substituto) por período superior a dois anos consecutivos.

    Especializou-se em fiscalização de sociedades distribuidoras e corretoras de títulos e valores mobiliários, mercados de renda fixa e variável, rastreamento do fluxo monetário, câmbio flutuante (operação das "CC5") e legislação tributária, área em que teve a oportunidade de contribuir decisivamente na formação conceitual da legislação tributária do mercado de capitais atualmente em vigor através de cursos ministrados para Auditores Fiscais do Tesouro Nacional e outros funcionários do Ministério da Fazenda, incluindo a Coordenação do Sistema de Tributação, no período de 1984 a 1998.

    Também realizou trabalhos de fiscalização em financeiras, empresas de arrendamento mercantil (“leasing”), bancos comerciais de pequeno porte, fundos de investimentos, administradoras de consórcios, empresas de fomento comercial (“factoring”) e “mercado marginal” (instituições não habilitadas pelo Banco Central do Brasil).

    Participou como assistente de liquidante/interventor em diversas liquidações extrajudiciais ou intervenções decretadas pelo Banco Central do Brasil (financeira, consórcio, distribuidora e corretora de valores), onde exerceu a coordenação dos trabalhos efetuados por funcionários de diversos setores das liquidandas no levantamento da situação líquida patrimonial na data da decretação, dos compromissos de recompra informais, dos valores em custódia, entre outros serviços administrativos, além de apurar as irregularidades que motivaram o ato do Banco Central.

    Antes da aposentadoria vinha trabalhando na elaboração e análise de Processos Administrativos, expedindo pareceres.

    Em 1995 era inspetor do Banco Central do Brasil e requereu aposentadoria em razão de processo administrativo instaurado por ordem dos dirigentes do Banco Central, com denúncia ao Ministério Público Federal por “quebra de sigilo”, por ter revelado irregularidades no Sistema Cambial Brasileiro durante o curso sobre Fraudes Financeiras Internacionais, realizado na ESAF - Escola de Administração Fazendária em agosto de 1995. Mas, estava devidamente convocado por Ofício da SRF, com autorização da Diretoria do Banco Central e ainda amparado pelo artigo 28 da Lei 6.385/76, que versa sobre a obrigatoriedade do intercâmbio de informações entre o Banco Central, a SRF - Secretaria da Receita Federal e a CVM - Comissão de Valores Mobiliários, depois reforçado pela Lei 10.303/2001e pelas Leis Complementares 104 e 105 de 2001 (sigilo fiscal e bancário). Diante da repercussão na imprensa da abertura injustificada do processo administrativo, por pressão da opinião pública, os dirigentes do Banco Central foram obrigados a estabelecer maiores controles e restrições para evitar a evasão de divisas através do Mercado de Taxas Flutuantes. A partir desse momento, as demais autoridades do país também passaram a dar mais atenção aos crimes de “lavagem de dinheiro”, que foram definidos na Lei 9.613/98. As medidas tomadas paulatinamente para sanar as falhas existentes no Regime Cambial Brasileiro culminaram com a extinção do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes em janeiro de 2005 e a edição do novo Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais - RMCCI em março de 2005.

VOLTAR :: PRÓXIMO - EXPERIÊNCIA DOCENTE